1º SUPer Treino Catarinense – Seja SUPer Solidário!

A ACSUP e a FECASUP convidam a todos os atletas, praticantes e amantes do Stand Up Paddle para um super treino coletivo de SUP Race na Lagoa da Conceição (Avenida das Rendeiras, na base do Floripa SUP Club), em Florianópolis!

Serão realizadas provas com 4 categorias amadoras:
– Kids masculino e feminino de 06 a 12 anos;
– Junior masculino e feminino de 13 a 17 anos;
– Feminino a partir de 18 anos;
– Masculino a partir de 18 anos.

E mais 2 categorias profissionais, dentro das regras e normas convencionadas internacionalmente para SUP Race:
– Masculino;
– Feminino.

Além destas, poderão acontecer provas surpresas!!

Venha participar desta grande confraternização e ainda contribuir com as campanhas sociais!

Contamos com a presença de todos!!

 

Mais informações: http://www.ecosupclub.com.br/?p=327

A Educação e o Mosca Morta na TV Cultura

A Educação e o Mosca Morta, produção da Contraponto com direção de Kátia Klock, será exibido pela TV Cultura nesta terça-feira, 14 de junho, às 23h45.  A narrativa do documentário caminha entre realidade e ficção para nos lembrar a importância da educação como geradora de iniciativas sustentáveis
Em seus 52 minutos, são apresentados projetos que incentivam a educação ambiental, misturados com esquetes ficcionais construídas com muito humor e crítica social. Na trama, Mosca Morta (interepretado por Diogo Vaz Franco), está disposto a praticar todos os ensinamentos do Mestre Shei Xin (personagem de Ken Kaneko) para se tornar um "Guerreiro Verde".
O documentário foi produzido para a série televisiva Somos 1 Só, que discute o tema sustentabilidade e a relação homem-meio ambiente.

O quê: Exibição de A Educação e o Mosca Morta
Onde: TV Cultura
Quando: Terça-feira, 14 de junho, 23h45, na faixa Cultura Documentários

MESTRE (KEN KANEKO) E MOSCA MORTA (DIOGO VAZ FRANCO)

TEASER DO DOCUMENTÁRIO

www.contraponto.tv
twitter.com/contrapontodocs
www.facebook.com/contraponto
www.somos1so.com.br

Os dez mandamentos do surfista sustentável

A organização do Brasil Surf Pro, o Campeonato Brasileiro de Surfe Profissional, criou um termo de compromisso com dez mandamentos para o surfista sustentável. O termo foi assinado por mais de 60 surfistas na segunda etapa do BSP, na Praia do Cupe, em Ipojuca (PE). O documento tem o objetivo de comprometer os atletas com o tema da sustentabilidade.

Confira os 10 mandamentos e as suas respectivas reflexões:

1.    Cuide do seu lixo – Se estiver dentro da água ou na praia recolha o lixo e deposite-o na lixeira. Cuidado especial com sua parafina usada, nunca descarte-a na areia da praia.  Sempre que possível recicle, principalmente em casa!

Isto é muito importante, mas já não é suficiente. Não podemos mais virar os olhos para os erros dos outros. Se algum turista desavisado ou nativo mal educado proceder de forma a sujar a praia ou locais de difícil acesso, junte este lixo. Leve sempre contigo as sacolas do mercado que você não deveria pegar, mas por falta de costume acabou pegando,  coloque este lixo dentro do saco para enfim, este saco, ser uma solução ao invés de um problema.

Com a parafina o ideal seria criarmos centros de coleta, locais onde os surfistas mais frequentam poderiam ter um recipiente de coleta deste material que poderia ser utilizado em outros fins mais nobres como artesanatos ou cera para madeira.

“Tente mover o mundo – o primeiro passo será mover a si mesmo.”
Platão

2.    Preserve a vegetação nativa da praia – Cuide bem, pois ela garante a biodiversidade e evita a erosão na praia. Seja proativo, em áreas degradadas plante espécies nativas do bioma.

Além de tentarmos ao máximo não interferir com a vegetação nativa, devemos passar esta atitude para frente e não deixarmos que outros conhecidos ou turistas interfiram neste bioma ou façam fogueiras na praia, cedo ou tarde este material será usado para alimentar o fogo.

“A base de toda a sustentabilidade é o desenvolvimento humano que deve contemplar um melhor relacionamento do homem com os semelhantes e a Natureza.”
Nagib Anderáos Neto

  3.    Mobilize as associações de surf  locais – Estimule sempre que possível as práticas responsáveis com relação ao meio ambiente costeiro principalmente durante a realização de campeonatos. Os eventos são uma plataforma para comunicar, sensibilizar e educar o público, faça a sua parte.

Temos que pensar fora da caixa, além de surfistas e parceiros, devemos interagir com outras entidades locais ou mesmo de outras regiões. Trazer para perto do surf conhecimento de biólogos, oceanógrafos, ambientalistas, artistas. Criar eventos multidisciplinares agregando todo o tipo de conhecimento possível. O custo disto pode ser alto, por isto envolver órgãos municipais ou escolas para somar forças.

“Aprender é mudar posturas.”
Platão

4.    Contagie o seu patrocinador nessa luta -  Estimule práticas sustentáveis dentro da industria do surfe. A sustentabilidade já é uma realidade, faça as escolhas certas.

O patrocinador poderá fortalecer muito mais a marca apoiando estas iniciativas e terá maior visibilidade para dentro e fora do mundo do surf. Crie oportunidades para que o patrocinador possa ter mais visibilidade e tornar mais ampla a parceria.

“Ninguém pode achar que falhou a sua missão neste mundo, se aliviou o fardo de outra pessoa.”
Charles Dickens

5.    Seja um surfista amigo do planeta – Procure saber como você pode neutralizar os gases de efeito estufa e se tornar um surfista carbono neutro. Os quilômetros percorridos nas viagens de carro, voos ou barcos emitem CO2 e contribuem para o aquecimento global. Ande sempre que possível de bicicleta, a pé ou use transportes públicos.

Seja mais solidário. Entre em contato com amigos para dar carona, informar qual é a melhor praia para prática no dia e vão juntos, afinal em um carro cabem 5 pessoas. Caso não faça isto vocês dois se encontraram no mesmo local, saindo do mesmo destino e consumindo a mesma quantidade de combustível e tempo, sendo que isto poderia ser dividido em duas, três ou quatro vezes.

“A consciência é o melhor livro de moral e o que menos se consulta.”
Blaise Pascal

6.   Seja um exemplo – Envolva-se em causas socioambientais na sua cidade. Empreste a sua imagem a essas causas e denuncie impactos e agressões ao meio ambiente. Dê o exemplo!

Não podemos mais esperar que o poder público nos atenda, temos que arregaçar as mangas e lutar por tudo que nos é direito e por ideais de valor comum. Somente quem vive no local sabe dos problemas mais comuns. Encontre solução e quando pedir apoio de algum órgão público chegue já com um planejamento do que seria ideal para solução.

Tenha um pensamento global e aja localmente. Tenha um pensamento local e aja globalmente.

“Se fracassar, ao menos que fracasse ousando grandes feitos, de modo que a sua postura não seja nunca a dessas almas frias e tímidas que não conhecem nem a vitória nem a derrota.”
Theodore Roosevelt

7.    Confira se o fabricante da sua prancha é eco-correto – A maioria dos shappers não destinam os resíduos da fabricação das pranchas de forma correta, eles são altamente tóxicos ao meio ambiente. Procure se informar, cobre uma postura correta.

Comece a se relacionar com profissionais que tenham conduta correta e fornecem um destino digno para seus resíduos, se apoiarmos que polue estamos contribuindo ou sendo cúmplices da agressão praticada. É como ser conivente com a atitude incorreta, e isto não é correto.

O desenvolvimento tecnológico e a biodiversidade têm crescido, respectivamente, em proporções inversas nos últimos séculos.”
Rinaldo Pedro

8.   Seja um surfista verde – Pratique o consumo consciente no seu dia à dia. Comece com o simples ato de retirar da tomada todos seus equipamentos eletrônicos quando sair para surfar ou viajar. Diga não ao plástico, use somente sacolas reutilizáveis. A sua atitude faz a diferença.

Estenda esta atitude para sua família e amigos, você pode até ser tachado de “biodesagradável”, mas no fundo de seus pensamentos, eles sabem que tem razão e vão apoiar. É muito difícil mudar centenas de anos de uma cultura consumista e um comportamento herdado de gerações e gerações e que vem causando um grande impacto sobre o planeta e o meio ambiente. Mas não é impossível.

“Uma grande jornada começa com o primeiro passo.”
Provérbio Chinês

9.    Pratique o turismo sustentável – Hospede-se sempre que possível em hotéis e pousadas que utilizam recursos naturais como energia solar, captação de água da chuva, reaproveitamento de água do chuveiro para uso sanitário e coleta seletiva do lixo. Pesquise pois essas opções existem!

É necessário um outro tipo de visão para se construir um ambiente sustentável. Precisamos prestigiar estas iniciativas e vivenciar um pouco deste experiência que pode ser muito enriquecedora, apesar de custar um pouco mais, vale a pena pelo conhecimento de novas ideais de se relacionar com a natureza.

“Hoje existe um consenso mundial de que o turismo tem de firmar-se em quatro pilares:

· O ambiental é a principal fonte de matéria prima dos atrativos;

· O social, e aí se entende em sua abrangência, a comunidade receptora, o patrimônio histórico-cultural e a interação com os visitantes, ao mesmo tempo em que eleva o padrão de vida e a autoestima dessa comunidade;

· O econômico, com todos os inter-relacionamentos e interdependências da cadeia produtiva, permitindo sua articulação com a identificação correta de suas unidades de produção e de negócios para estabelecer uma rede de empresas a fim de atuar de forma integrada, proativa e interativa, obtendo níveis de comparatividade e produtividade para o alcance de competitividade;

· O político, que se instrumentaliza mediante estratégias de gestão que possibilitem coordenar as iniciativas locais na criação de um entorno emulativo de produção, favorecendo o desenvolvimento sustentável.

Abrangência do turismo sustentável envolve: compreensão dos impactos turísticos; distribuição justa de custos e benefícios; geração de empregos locais diretos e indiretos; fomento de negócios lucrativos; injeção de capital com consequente diversificação da economia local; interação com todos os setores e segmentos da sociedade; desenvolvimento estratégico e logístico de modais de transporte; encorajamento ao uso produtivo de terras tidas como marginais (turismo no espaço rural); subvenções para os custos de conservação ambiental.”

(MARIO CARLOS BENI, Doutor e livre docente em turismo)

“A consciência é a estrutura das virtudes.”
Francis Bacon

10.    Provoque e multiplique essa consciência planetária com seus amigos e sua família. Faça parte dessa corrente, não seja um haole.

 

 

“Trabalhar com sustentabilidade
É plantar um presente que garanta a subsistência das novas gerações
Num planeta que pede socorro e se aquece a cada dia.
Pois melhor que plantar árvores, despoluir rios, proteger animais,
É semear a consciência de que a garantia da vida é respeitar as fronteiras da natureza.”
Nildo Lage

Fonte: Escolas de Surf ACES